17.11.09

o grito surdo de Clotilde ecoa-lhe na cabeça. ainda de porta aberta, Amélia apresenta Josefa a Joaquim e estes, descontraídos, sentem a presença estupefacta da vizinha invisível. a porta fecha-se ao som das vozes animadas e sorridentes. Clotilde permanece hirta, com as duas mãos a sufocar a voz e uma raiva pequenina a crescer e a enraizar-se no coração. bem cuidada, Josefa é um mulherão e o arranjinho que Amélia lhe proporcionou também não é nada de se deitar fora. Clotilde está cada vez mais zangada. vai condimentando a inveja com uma revolta com sabor a injustiça. parada com o nariz ainda colado à porta da rua, começa a maldizer a sua sorte. que uns são filhos e outros são enteados. que nunca teve nada de fácil na vida. e é a raiva que a inspira a embonecar-se toda para interromper o serão na casa da vizinha à hora do café. está decidida a fazer-se de convidada distraída.

ilustrado por Ana às 16:30

tinha muitos episódios atrasados, pois não consigo
entrar no blog. só quando mandam mail.
continua a prometer.
licão
Anónimo a 17 de Novembro de 2009 às 18:06

texto a partir da imagem...
as autoras
arquivos
2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

21

28

30


RSS
eXTReMe Tracker